Pernambuco e China debatem ações e investimentos na área de mudanças climáticas e energias renováveis

As políticas de enfrentamento às mudanças do clima e as oportunidades envolvendo as áreas de energia renováveis no Estado estão no foco de um grande evento que será realizado pelo Governo de Pernambuco e o Consulado da China no Recife, no próximo dia 24 de abril, a partir das 8h. O “Seminário: Mudanças do Clima e Energias Renováveis” reunirá mais de 200 pessoas, entre representantes da gestão pública, academia, empresários locais e do país asiático, no Banco Central do Brasil, em Santo Amaro. Uma comitiva com executivos das principais empresas chinesas já está confirmada.

“A geração de energia elétrica é um ponto fundamental dentro da Política de Enfrentamento às Mudanças do Clima e também um dos principais motores da economia. Aqui temos o desafio concreto de conter as emissões de Gases do Efeito Estufa, substituindo o uso de combustíveis fósseis por fontes limpas de energia. O desenvolvimento sustentável é determinante para a vida das pessoas e para a economia. Por isso, estamos reunindo neste seminário o poder público, a academia e o setor privado para falar sobre políticas ambientais e oportunidades reais nesta área”, argumentou o secretário Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Bertotti.

Coordenado pela Secretaria de Meio Ambiente de Pernambuco (Semas), o evento também envolve as pastas estaduais de Desenvolvimento Econômico, e Infraestrutura e Recursos Hídricos. Entre os participantes do país oriental, é certa a presença de uma comitiva de Província de Qinghai (China), formada pelo vice-governador, Wang Liming, e um grupo de executivos das principais empresas chinesas do setor de energias renováveis. A comitiva vem sendo organizada pelo Consulado da China no Recife e parte dos integrantes ainda vai fazer exposições durante o seminário, além de participar de rodadas de negócios.  

A programação, que se estenderá por todo o dia, inclui apresentações sobre a Política Brasileira de Mudanças Climáticas, o Plano Estadual de Mudanças do Clima; Florestas Energéticas; Investimentos chineses no Brasil, Reestruturação da matriz energética global com bases em fontes renováveis e suas oportunidades no Nordeste, entre outros temas. A ideia é compartilhar conhecimentos no campo de políticas de baixo carbono, energia renovável e setores relacionados, assim como, incentivar conexões e investimentos entre os atores envolvidos no seminário.

Segundo Bertotti, os efeitos das alterações do clima já começam a impactar as cidades de forma significativa e, por isso, é fundamental avançar na implementação de ações para conter as emissões de GEE, por meio de parcerias, troca de conhecimento e investimentos nos principais setores da economia. “A ideia é estreitar as relações entre Pernambuco e a China. Vamos discutir a experiência de um dos países mais avançados em geração de energia limpa, conhecendo suas ações no setor de adaptação às mudanças do clima e as novas tecnologias de baixo carbono”, colocou.

De olho no volume de investimentos já consolidado pelos chineses no setor energético brasileiro, Pernambuco também vai apresentar o potencial de investimentos existente na área de energia no Estado e no arquipélago de Fernando de Noronha. De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), o Nordeste é a região com maior potencial de geração de energia eólica no país. E no semiárido nordestino, estão as áreas com melhores parâmetros técnicos de insolação, uma vantagem e tanto na exploração de fontes solares.  

Políticas do clima - As ações relacionadas às mudanças climáticas já fazem parte da pauta do Governo de Pernambuco, desde 2008. Destaque para o Programa Pernambucano de Micro e Minigeração de Energia Solar (PE Solar), criado em 2015. A iniciativa visa estimular o mercado fornecedor de equipamentos e serviços para a indústria de energia solar. Também busca incentivar a criação de empresas locais para a instalar este tipo de sistemas em imóveis para pessoa física e jurídica em todo o Estado.

Força internacional - A China está entre os maiores produtores e consumidores de energia do mundo. Apesar de ser o maior emissor de GEE, sendo o carvão a principal fonte energética, o país asiático é um dos que mais investe em energia limpa do planeta. Hoje, ele tem a maior capacidade instalada de energia eólica e exporta painéis fotovoltaicos para todo o mundo. Em 2017, o país lançou um plano de investimentos de cerca de US$ 360 bilhões em geração de energia renovável até 2020. Os dados são da Administração Nacional de Energia.

Serviço

O quê: Seminário: Mudanças do Clima e Energias Renováveis 
Quando: 24 de abril de 2019 - das 8h30 às 17h30
Onde: auditório do Banco Central do Brasil, na Rua da Aurora, nº 1259 - bairro de Santo Amaro.

Postar um comentário

0 Comentários