Fundação João Mangabeira e IMA assinam convênio para preservar memória de Miguel Arraes

A Fundação João Mangabeira (FJM) e o Instituto Miguel Arraes (IMA) firmaram nesta quinta-feira (6), durante reunião da Comissão Executiva Nacional do PSB, convênio para preservar e divulgar o legado histórico do ex-governador de Pernambuco e ex-presidente nacional do partido. O acordo permitirá o apoio a atividades de pesquisa, preservação e acesso público à história de Arraes, que completaria 100 anos de idade, em 15 de dezembro deste ano.
Com a parceria, a Fundação contribuirá com a manutenção do Instituto, que abre suas portas diariamente para receber um público interessado na vida, na trajetória e no legado político do socialista para o país. Já o Instituto irá colaborar nas atividades da Fundação para formação de quadros políticos e formulação de políticas públicas, por meio do intercâmbio de acervos, tecnologias e da cessão de seu espaço físico, no Recife.
O convênio foi assinado pelo presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, pelo presidente da FJM, Renato Casagrande, pelo presidente do IMA, Antonio Campos e por João Campos, filho do ex-governador Eduardo Campos e bisneto de Arraes.
“Miguel Arraes completaria 100 anos se estivesse vivo, mas continuará sempre vivo como referência nossa, para o PSB, para a esquerda e para os progressistas do país e do mundo”, afirmou Casagrande, após a assinatura do convênio. “Quero agradecer a generosidade do PSB e da FJM em reconhecer o guerreiro que foi Miguel Arraes de Alencar. Trago aqui a palavra de agradecimento da minha avó, Maria Madalena, e dos demais familiares, e registro a importância do acordo para o instituto”, declarou Antônio Campos, presidente do IMA.
Entre 14 e 16 de dezembro, a história do líder político da esquerda brasileira integrará as atividades do seminário de formação política que será realizado pelo PSB e pela FJM para prefeitos socialistas, no Rio de Janeiro.
Instituto Miguel Arraes
A sede do Instituto Miguel Arraes funciona na antiga residência do líder político, no Recife, e reúne um acervo de mais de 270 mil itens como fotografias, manuscritos, cartas, documentos e livros. Em 2013, o material foi considerado patrimônio cultural pelo Governo do Estado de Pernambuco.
Governador por três vezes e deputado federal por Pernambuco, Miguel Arraes teve sua vida pública marcada pelo compromisso com a redução das desigualdades sociais, a melhora das condições de vida no campo, a educação de qualidade e a luta em defesa da democracia brasileira.

Assessoria de Imprensa PSB

Postar um comentário

0 Comentários